Seja para melhorar a experiência de assistir a um filme ou maratonar a sua série favorita; para animar aquela confraternização de família na piscina, praia, ou churrasco; ou para ter aquele som de qualidade na hora de jogar no PC, uma dúvida sempre vem na cabeça das pessoas: como escolher uma caixa de som que atenda às minhas expectativas?

Não existe uma resposta pronta para essa pergunta; essa escolha tem ligação direta com o desejo da pessoa. Algumas gostam de volume, outras da qualidade dos graves, e há aqueles que querem combinar qualidade de som e design.

Para ajudar nessa escolha, criamos este post com algumas questões que você deve levar em conta na hora de escolher a caixa de som ideal para as suas atividades. Confira!

É importante analisar a potência da caixa?

Quanto mais potência, mais alto será o som da caixa; porém, ao contrário do que muita gente imagina, alta potência nem sempre significa alta qualidade.

É importante você ter isso em mente, justamente para não gastar mais caro numa caixa somente porque ela é mais potente. Você poderá se decepcionar com dois fatores.

Primeiro: dependendo da situação, você nem chegará a utilizar a potência máxima do equipamento, e terá pagado mais caro a toa. Segundo: em muito dos casos, quando chegar lá, o som ficará distorcido, isso porque existem outros fatores que devem ser analisados em relação à qualidade do áudio, como os seguintes.

RMS

O RMS é a medida internacional de qualidade que alia potência com a qualidade de som, ou seja, quanto maior for o RMS, maior será a capacidade da caixa em reproduzir um som alto, sem distorções ou chiados.

THD

Total Harmonic Distortion, ou Distorção Harmônica Total, em tradução livre. É a porcentagem que indica o índice de ruídos que o áudio terá. O ideal é que o valor esteja próximo a 1%; quanto maior o percentual, mais chances de ruídos.

Qual é a importância da frequência?

Muita gente confunde potência e frequência, mas enquanto a primeira trata da capacidade da caixa em suportar volumes maiores, a segunda é relativa ao desempenho de sons graves e agudos que uma caixa entrega.

A frequência é calculada em Hertz(Hz) e os equipamentos possuem faixas máximas e mínimas, que delimitam os alcances dos graves, médios e agudos durante a execução de um som.

A melhor maneira de conseguir o melhor de cada faixa é com alto-falantes específicos, com subwoofers, responsáveis pela frequência baixa: grave; os woofers, pela média; e os tweeters, pela aguda. Esse padrão nós vemos, por exemplo, nos home theaters.

Em uma caixa simples com bluetooth é importante ficar atento às faixas de frequências, para que você consiga extrair a melhor experiência do som: profundidade e efeitos.

Quanto dura a bateria?

Outro fator importantíssimo, principalmente para quem quer uma caixa para utilizá-la ao ar livre, longe de uma tomada. Fique atento a duração da bateria. Uma dica é procurar nas especificações sobre a amperagem: quanto maior ela for, mais tempo você terá para curtir o seu som sem a necessidade de correr para uma tomada.

O design é importante?

A maioria das caixas bluetooth atualmente possuem design moderno e recursos que deixam o clima ainda mais descontraído, como luzes coloridas.

É lógico que isso não deve se sobrepor ao que realmente importa numa caixa de som, que é a qualidade do áudio; porém, as pessoas, quando compram um dispositivo, também levam em conta: se ele combinará com os equipamentos existentes em casa; se é portátil; fácil de carregar e de acoplar em outros objetos, como no caso de caixas para ser utilizadas em carros. O importante é encontrar o equilíbrio entre estética e qualidade de som.

Agora que você sabe como escolher uma caixa de som, a maneira mais rápida e prática para fazer um  comparativo é pesquisando na web. Aliás, é na internet que você encontrará a maior variedade de equipamentos e os melhores preços.

Gostou do post? Então não perca tempo e confira algumas das melhores caixas de som do mercado. Aproveite!